Obras mais limpas e entregues cada vez mais rápidas

Obras mais limpas e entregues cada vez mais rápidas

Inovações apresentadas durante a 20ª Construsul – Feira Internacional da Construção melhoram o desempenho e reduzem o tempo de espera na construção civil

A indústria da construção civil está cada vez mais preocupada na evolução dos seus produtos para construir de forma mais rápida e gastando menos. As novas tecnologias e processos fazem com que construtores economizem em materiais, em mão de obra e reduzam o tempo de entrega nas construções. Na 20ª Construsul – Feira Internacional da Construção, que ocorre até sábado (05/08), as empresas estão empenhadas em mostrar como fazer mais, gastando menos. Uma das novidades é um equipamento específico para agilizar a finalização de uma parede, por exemplo, com massa corrida ou tinta.

– Um operário tem a capacidade de fazer cerca de trezentos metros de massa corrida em uma parede, no máximo, de forma manual. Com o Airless, é possível que um operário faça mais de mil metros por dia de massa corrida e cerca de 1500 metros de pintura. Isso faz com que o construtor entregue a obra pronta em um período quatro vezes menor – relata o diretor da Nauber Airless, Anderson Schneider.

Gruas são máquinas grandes e demandam de muita atenção na obra, para evitar acidentes e melhorar a distribuição dos materiais. Pensando nisso, a empresa Grubras elaborou produtos operados por controle remoto.

– O operário que trabalha com o controle remoto da grua está no chão durante todo processo. Essa mudança é importante para a construtora, por evitar qualquer acidente. Dependendo da necessidade do cliente, temos máquinas que podem erguer mais de duas toneladas – destaca a gerente geral, Yves Sousa.

A construção de paredes é, também, uma tarefa que pode contar com muitas variáveis de tempo. Com o uso de moldes, é possível fazer a espera de parte elétrica e hidráulica.

– Imaginem o tempo que seria necessário para fazer um muro e o que fazemos com nossos produtos é abrir uma valeta e inserimos as estruturas. À tarde é feita a concretagem e no outro dia está pronto dando seguimento à obra – explica o gerente de vendas da JHC Representações, Caetano Mammana.

Soldar uma peça não precisa ser um processo demorado e difícil. Na Vonder, os novos equipamentos são pequenos, portáteis e de fácil manuseio.

– A nova máquina de solda 135, que é um retificador e inversor de solda, teve o peso reduzido de 30Kg para aproximadamente 2Kg proporcionando economia de tempo e de energia elétrica – relata o vencedor da Vonder, Everaldo Pereira da Rocha.

Quem trabalha na construção civil sabe que tijolo não é tudo igual. Com a evolução do segmento, as empresas estão investindo em soluções que evitam as tradicionais quebradeiras na parede para qualquer conserto de fiação ou nos canos.

– Trabalhamos com blocos cerâmicos estruturais e de vedação com design diferente e específico, com furos verticais, permitindo a passagem de eletro dutos e evitando quebras nas paredes em casos de reparos em algum fio com problema. A obra fica mais limpa e organizada. Além disso, os blocos são maiores e reduzem até 80% da argamassa, dependendo da forma de construção escolhida – afirma o diretor da Pauluzzi Blocos Cerâmicos, Juan Carlos Germano.

O segundo dia de feira também contou com a abertura da 12ª edição do Encontro Sul-Rio-Grandense de Prevenção, Segurança e Saúde do Trabalho (PREVESST), espaço dedicado aos debates sobre prevenção de acidentes de trabalho na construção civil. Neste ano, o tema principal do encontro foi a Lei 13.425/2017, que visa a proteção, prevenção e combate ao incêndio, divulgada em março e com início previsto para o próximo ano.

– A lei é muito importante para que toda sociedade pense em prevenção e combate ao incêndio. A normativa quer cuidar dos ambientes por número de pessoas, não por área. Vai pensar no local com mais de cem pessoas, por exemplo, ao invés de local com tantos metros quadrados. Assim, muda o planejamento e a preocupação com a vida aumenta. Outra alteração é que a lei obriga faculdades de engenharia e arquitetura a incluir disciplina sobre o assunto, o que só existia em pós-graduação de engenharia do trabalho – explica o vice-presidente da Associação Sul Rio-Grandense de Engenharia de Segurança do Trabalho (ARES), Nelson Burille.

Outra mudança, de acordo com Burille, refere-se à apresentação do PPCI aos órgãos de fiscalização, como o Conselho de Arquitetura e Urbanismo (CAU) e do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia (Crea).

Os eventos paralelos promoveram qualificações durante o evento. As patologias das edificações foram tema de evento promovido pela Unisinos e o ITTPerformance. A Associação Nacional da Indústria Cerâmica (Anicer) realizou atividade que falou sobre avaliação e ciclos de vida dos produtos cerâmicos. Uma horta urbana foi montada pela empresa Construir + Verde, mostrando as possibilidades para pequenos espaços. O evento também contou com o 2º Encontro de Líderes do Varejo de Material de Construção, uma promoção da Revista Revenda.

Redação: Mariana da Rosa e Marcelo Matusiak | Coordenação: Marcelo Matusiak | Fotos: Felipe Ribeiro / Guilherme Gargioni
By |04/08/2017|Comentários desativados em Obras mais limpas e entregues cada vez mais rápidas